Procurar
Close this search box.
Investidor Prudente - melhores ações

A Renault vende muito em Portugal e tem um PER de 3x

Bom dia, caro investidor.

A Renault é uma das empresas que mais carros vende em Portugal, onde se destaca o Clio e os Dacia, a marca romena subsidiária da Renault. O modelo Sandero tem sido o mais vendido da Europa este ano, segundo a revista Turbo.

Porque é que a acção está com um PER’23 de 3x e um price-to-book de apenas 0,35x?

Peneirando acções com baixo “price-to-book” (parte 2/2)

1. Apresentação

A fabricante de automóveis francesa Renault S.A. (EPA: RNO; ISIN: FR0000131906 ) foi fundada em 1899, como Société Renault Frères, por Louis Renault (um engenheiro brilhante, responsável pelo design e produção) e pelos seus irmãos Marcel e Fernand (administradores do negócio).

O primeiro carro Renault, o Voiturette 1CV, foi vendido a um amigo do pai de Louis em 1898.

Apesar do seu foco ser agora o mercado de automóveis ligeiros e carrinhas, fabricou no passado camiões, tractores, tanques, autocarros, aeronaves, entre outros. A Renault Trucks, anteriormente conhecida como Renault Véhicules Industriels, faz parte da Volvo desde 2001 e a Renault Agriculture tornou-se 100% detida pelo fabricante alemão de equipamentos agrícolas CLAAS em 2008.

Até agora, os fabricantes de automóveis operaram num ambiente caracterizado por tecnologias maduras de motores a combustão e expectativas estáveis de clientes. As mudanças actuais, que estão a remodelar toda a indústria automóvel, vão levar ao surgimento de novas cadeias de valor: veículos eléctricos, software, novos serviços de mobilidade e economias circulares. Vamos passar a ter “smartphones sobre rodas”, segundo a própria empresa.

Hoje, o Grupo Renault tem cinco negócios operacionais, divididos de acordo com a actividade – veículos híbridos e a combustão (ICE – Internal Combustion Engines); veículos eléctricos e software; Alpine (carros desportivos); Mobilize (financiamento, energia/baterias e mobilidade); e economia circular (reciclagem, fornecimento de peças, etc.):

Análise às acções da Renault - negócios

Estas linhas de negócios estão incluidas em 3 segmentos…

External sales

  • Automotive – €43.121 M
  • Sales Financing – €3.235 M
  • Mobility Services – €35 M

… que abrangem a própria marca Renault (a mais relevante em termos de receita) e outras subsidiárias, como a Dacia, a Alpine, etc.

Análise às acções da Renault - marcas

A empresa também possui outras subsidiárias, como o RCI Banque (financiamento), a Renault Retail Group (distribuição) e a Motrio (peças); e várias joint ventures fora da Europa, como a Oyak-Renault (na Turquia) e a Renault Pars (no Irão).

Mas o seu principal mercado continua a ser o europeu:

Revenue (2022):

  • Europe – €35.685 M
  • Eurasia – €1.899 M
  • Africa & Middle East – €1.757 M
  • Asia Pacific – €2.699 M
  • Americas – €4.351 M

Também é necessário indicar aqui a participação que a companhia tem directamente na Nissan e indirectamente na Mitsubishi:

Análise às acções da Renault - grupo

Em 2019, a Renault, a Nissan e a Mitsubishi Motors constituíram o Alliance Operating Board, um órgão que supervisiona as operações e que desempenha as funções de governança da “Aliança” que existe entre as três empresas, e que aproveita vários tipos de sinergias (como, por exemplo, a realização de compras conjuntas).

O segmento B e C absorvem a maioria do mercado endereçável…

Análise às acções da Renault - segmentos

… mas, nos próximos anos, deverão ser lançados novos modelos eléctricos em todas categorias de veículos ligeiros, como os renomados Scenic, Renault 5 e Twingo, além do Megane (já lançado):

Análise às acções da Renault - novos lançamentos

Actualmente, o eléctrico mais vendido é o Dacia Spring e o Zoe:

Análise às acções da Renault - vendas de carros

2. Principais Accionistas

O Estado francês e a Nissan possuem, cada um, 15% das acções da empresa:

  • Government of France – 15,01%
  • Nissan Finance Co., Ltd. – 15,00%
  • Capital World Investors – 5,28%

Os trabalhadores da Renault são os quartos maiores accionistas, com 3,79% de participação:

  • Renault S.A. Employees – 3,79%

3. Gráfico de Longo Prazo e Dividendos

A cotação parece um electrocardiograma:

Análise às acções da Renault - gráfico de longo prazo

Após três anos de suspensão, o Grupo prevê iniciar uma “nova era” de dividendos…

Renault Group plans to reinstate the payment of a dividend as from 2023 (based on the 2022 financial year, subject to approval at the Annual General Meeting). This dividend symbolises a new era. The pay-out ratio will increase gradually and in a disciplined manner to 35% of net income – Group share, in the medium term. To do so, the Group will have to fulfil its first priority, which is to return to an investment grade financial rating.

… mas tenho dúvidas quanto à recorrência do pagamento e ao montante. O dividend yield actual é baixo:

  • Dividend yield (ttm) = $0,25 / $39 = 0,6%
  • Dividend yield (2019) = $3,55 / $39 = 9,1%

Análise às acções da Renault - dividendos

4. Evolução do Número de Acções e Valor de Mercado

Houve algumas recompras de acções próprias recentemente, mas o número de acções em circulação tem vindo a estabilizar:

Análise às acções da Renault - valor de mercado

A Renault vale apenas €11 B em bolsa; bem menos do que o seu caixa (€19 B) e do que o seu valor patrimonial (€30 B).

5. Informação Financeira

A receita cresce timidamente de forma cíclica…

Análise às acções da Renault - receita

… mas nos últimos 5 anos tivemos 3 anos de resultados líquidos negativos:

Análise às acções da Renault - lucro líquido

O pior foi o prejuízo registado em 2020 no valor de €8 B, por conta da pandemia:

Covid drags Renault into record €8bn loss in 2020
French carmaker Renault has announced a record loss of 8 billion euros in 2020 with profits driven downward by the Covid-19 pandemic, which also looks set to weigh on the 2021 outlook.

As margens de lucro são muito baixas…

  • Margem bruta (5y): 20%
  • Margem líquida (5y): 0%
  • Margem líquida (20y): 6%

… e o retorno sobre o capital é reduzido:

  • ROE (5y): 0%
  • ROE (20y): 10%
  • ROCE (5y): 6%

O endividamento já costuma ser muito elevado…

Análise às acções da Renault - endividamento

… mas é necessário considerar o impacto da actividade financeira do Grupo, que distorce o rácio de endividamento:

Análise às acções da Renault - balanço

A avaliação das agências de rating é positiva:

Debt and funding

6. Desenvolvimento

Em 2023, a Renault aprovou um plano estruturado em três fases que irá (segundo a opinião da administração) restaurar a competitividade; melhorar a eficiência, graças a um rigoroso controlo de custos; tirar partido dos pontos fortes industriais do Grupo e da sua posição como líder em veículos eléctricos em toda a Europa; aproveitar a experiência tecnológica da “Aliança”; e explorar ainda mais o mundo dos dados, da mobilidade e dos serviços energéticos.

O objectivo, a longo prazo, é diminuir o custo da produção de veículos eléctricos em 40%…

Análise às acções da Renault - redução de custos

… e aumentar a receita:

Análise às acções da Renault - crescimento da receita

Ainda é cedo para dizer se a empresa vai ou não atingir esses objectivos, mas a médio prazo os analistas prevêem algum crescimento e uma recuperação do dividendo:

Análise às acções da Renault - analistas

Veja-se que o PER’23 corresponde apenas a 3x.

O net payout (dividendos + buybacks) mediano caiu para quase zero, devido à suspensão do pagamento de dividendos nos últimos 3 anos, após o impacto da pandemia. Se a remuneração dos accionistas voltar para os valores anteriores (ali perto dos €3,00-3,50)…

Análise às acções da Renault - net payout yield

… o yield on cost subirá para 8-9%, à cotação actual (€39).

7. Conclusão

Como a Renault apresenta baixos retornos sobre o capital, alguns prejuízos, necessidade de capital intensivo e baixas margens de lucro, é natural que esteja cotada abaixo do valor patrimonial, embora o preço actual seja inferior aos valores normais de mercado (próximo à linha vermelha)…

Análise às acções da Renault - price-to-book

… negociando com um PER’23 de apenas 3 vezes.

Dentro de uma perspectiva value clássica, semelhante à do investidor empreendedor (enterprising investor) de Benjamin Graham, este seria um bom caso de investimento, mas a abordagem do Prudente é diferente – identificamo-nos mais com Warren Buffett, Charlie Munger e Terry Smith.

Podíamos perfeitamente comprar a acção ao preço actual (€39) para vender depois a 1-1,5 vezes o valor do capital próprio por acção (a €103-155), mas como o tempo é inimigo do investidor, quanto mais anos demorasse a atingir esse patamar, menor seria o retorno. Com sorte, conseguiríamos obter um bom retorno, embora não deixe de ser um pouco especulativo, pois estamos sempre dependentes do movimento das cotações.

Já aqueles investidores que compram-e-mantêm (os buy-and-holders), e que esperam receber dividendos ao longo da vida, dificilmente conseguirão resultados excepcionais a longo prazo.

Por isso, vamos excluir esta empresa da nossa Lista Completa de Acções.

 

Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.

Disclaimer

Esta publicação é para efeitos meramente informativos e educacionais e não deverá ser entendida como uma recomendação para comprar ou vender acções.

Se entender esta publicação como uma recomendação, tenha em conta que ela é generalista e poderá não ser adequada ao seu perfil de risco, que é único. A sua situação financeira individual não foi tida em consideração pelo Autor da análise, que desconhece o perfil de risco e objectivos de cada um Subscritores do Investidor Prudente.

Se necessitar de conselhos financeiros personalizados, procure sempre os serviços de um profissional devidamente credenciado e autorizado pela CMVM.

O Investidor Prudente e a sua Equipa não assumem qualquer responsabilidade por eventuais perdas ou ganhos resultantes da informação obtida nesta publicação.

Esta publicação é propriedade intelectual de BBTOP20 – Produção de Conteúdos, Lda e destinada apenas aos Subscritores do site Investidor Prudente. As informações e opiniões contidas nesta publicação são confidenciais. É proibida a sua transmissão ou difusão, em todo ou em parte, sem autorização expressa.

Consulte o Disclaimer completo do Investidor Prudente.

2 Responses

    1. Olá, Nuno. Não consigo mensurar isso com precisão, mas não me parece que essa transformação vá alterar o núcleo da decisão de excluir a Renault da nossa Lista Completa de Acções. O que lhe parece, Nuno?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

INICIAR SESSÃO

download ebook grátis

O guia para a independência financeira através de ações

102 páginas para aprofundar o seu conhecimento em ações e investir melhor.